quarta-feira, 16 de agosto de 2017

«O Piano» de Isabel del Toro Gomes



quadro de Milly Possoz

O piano

Ao longe, num palco qualquer

Alguém o piano tocava

E eu ouvia

Aqui à espera sentada.



A concertista

Fazia exercícios rápidos

E os seus dedos mágicos

Eram como crianças endiabradas

Aos saltos.



O piano cantava

A música rodopiava

O mundo como que parava

E eu aqui sentada

Ouvia e lia poesia.

                                                         quadro de Milly Possoz


sábado, 12 de agosto de 2017

Um casal-estátua em Santiago de Compostela


Santiago de Compostela é um local de culto religioso e de turismo com muita gente pelas ruas, normalmente. Mas nunca imaginei que houvesse tanta, em Julho de 2017.
Não obstante a temperatura baixa e a ausência de sol, os corações estavam quentes e sequiosos de tempos mais afortunados e com menos crise.
Duvido que os deuses ou os santos possam ajudar neste aspecto, mas a Fé nalguma coisa sempre ajuda.
E a Galiza proporciona a todos um enlevo na alma de verde do arvoredo, de azul do céu, das rias e do mar, e de dourado das estátuas e adornos das igrejas e templos.
Nas ruas comprava-se e vendia-se de tudo numa enorme Feira Medieval, com exposição de aves de falcoaria, com artistas de rua, muito comércio, enfim. Como é costume, à boa maneira castelhana.


No meio de todo esse azáfama, um casal-estátua chamou-me a atenção. Simpáticos, chamavam-nos para tirarmos uma foto com eles. Ela está notoriamente grávida, mesmo assim consegue manter-se naquela posição imóvel durante horas. No fim do retrato, ele ofereceu-me uma bela concha, símbolo do peregrino de Compostela. A vida vai ser difícil para cuidar de um filho, espero que a futura mãe possa ficar o tempo necessário com o bébé em casa, e que tudo lhes corra o melhor possível. 


A felicidade é uma irresponsabilidade cada vez mais difícil, mas vai-se tentando e construindo a cada dia que passa. Com a ajuda de São Tiago de Compostela.


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Reabertura do Palácio Galveias em 2017



Depois de obras de requalificação, que demoraram muito mais tempo do que previsto (tinha que ser!), fui finalmente em Agosto visitá-lo e requisitar livros.


Eis as minhas primeiras impressões:

- por dentro, o Palácio está rejuvenescido e maravilhoso (como já era);



- existem mais salas de leitura, foram abertas várias no 1º piso, com livros expostos em estantes donde podem ser retirados e colocados pelo leitor;



- como não podia deixar de ser, placa à porta com o nome do Presidente da Câmara e data da inauguração;



- no jardim parece que houve uma daquelas revoluções em que não fica pedra sobre pedra, com saldo infelizmente negativo, na minha opinião: jardim descaracterizado, uma árvore enorme e arbustos selvaticamente cortados, para servirem de bancos e mesas. Os pavões (que atraíam muitos pais com as suas crianças e que podíamos admirar no seu quotidiano de criação e nos seus gritos de chamamento e que tornavam aquele recanto num pequeno paraíso no meio da cidade) não voltaram depois do encerramento para obras. Lamentável!
-  o Quiosque está ainda fechado e sem sombra, pois a árvore mesmo ao lado foi cortada.


Resultado: ao contrário do que era esperado no mês de Agosto, não havia quase ninguém no jardim, onde até se podia estar abrigado naquele dia de vento.






segunda-feira, 7 de agosto de 2017

«Luz ao fundo do túnel» de Isabel del Toro Gomes



Luz ao fundo do túnel



Já ninguém olha para o céu

Já ninguém admira a forma das núvens

Nem o brilho das estrelas

Nem a lua banhando-se no mar...


Nem o sol quando nasce e se põe

Nem as manhãs frescas e claras

Nem a água a correr nos rios

Nem os gritos do vento

Nem as montanhas altivas

Nem as rochas, nem as pedras...


Para quê olhar o céu?

Quem quer saber de constelações?

Já só interessam os milhões!

Quem quer saber das coisas e dos outros?

Já só interessa viver aos poucos
Sobreviver à angústia de cada dia.


Todo o dia é uma noite

Em que se percorre um imenso túnel

Sem encontrar  uma luz ao fundo.

                                                                            3 Out./95

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Henrique Abranches


Henrique Abranches nasceu em Lisboa em 1932 e embarcou para Angola com 15 anos de idade. Entre 1956 e 1959, iniciou a sua actividade intelectual, literária, na pintura e nos estudos etnográficos, em Sá da Bandeira.
Mais tarde, já em Luanda, escreve principalmente poesia, e textos de etnologia.
Preso pela PIDE, escreve na prisão o esboço do seu primeiro romance A Konkhava de Feti, que consegue fazer sair do país.
É enviado para Lisboa com residência fixa, onde continua o seu trabalho político fazendo palestras e colaborando com a Casa dos Estudantes do Império
É membro fundador da União dos Escritores Angolanos e da UNAP (União Nacional dos Artistas Plásticos), de que foi presidente.
As suas obras A Konkhava de Feti e O Clã de Novembrino (em três volumes) foram galardoadas com o Prémio Nacional de Literatura.
Faleceu na África do Sul em 2006.
Do seu livro de poemas Cântico Barroco, um dos poemas de que mais gostei foi  Ode Urbana.


ODE URBANA
 
Hoje não vou ter contigo, minha querida,
ainda que a meiguice me domine
e exerça em mim uma força magnética
que apaga as tuas palavras fúteis
e te reduz a um afago sublime.
Não vou ter contigo no Musseque Prenda.
Não quero ouvir falar de Lenine
nem da formidável Revolução Soviética
que aprendeste nos livros,
minha querida.
Nem da bravura singular de Hoji ya Henda,
a quem nunca deste um beijo de ternura
apesar da ternura que há na tua vida.
Nem no Quatro de Fevereiro estilizado
e conservado dentro de uma urna
- fogo de brasas que não arde,
porque nunca foi espevitado.
 
Vou por aí,
sob o Sol da tarde.
Vou andar sem ti, pela extensa avenida
perscrutando o rosto soturno
daqueles que mal olham por seu turno
como se o drama deles fosse a minha vida.
Vou estar em toda a parte, de muitas maneiras,
em busca do teu modo impertinente
de me refazer com graça infantil.
Vou andar à sorte das caras prazenteiras
que cruzarão comigo demoradamente,
com a alegria das crianças no recreio.
Vou piscar o olho a toda a gente
e fazer um convite à quitandeira.
que me vender o repolho mais subtil,
que me lembre a calote do teu seio.
Vou recordar a Maria da Fonte
sobre o pedestal – enorme e mamalhuda –
com a beleza magnífica e felpuda
da grande migália do Brasil.
- A sua imensa mão calcária,
que empunhava uma espada da Dâmocles
como um falo de bronze antigo,
jaz agora partida e solitária
num canto do quintal do meu amigo.
 
Hoje não vou ter contigo,
minha querida do Musseque Prenda.
E todavia,
vou procurar-te com arte em toda a parte,
na alegria dum rosto aventureiro
entre os rostos que vão rua fora.
Vou pensar em ti, na doçura de mel
das ondas do teu corpo marinheiro,
sem escutar o teu frasear de menina,
junto aos ângulos da muralha esmagadora
da velha Fortaleza de S. Miguel.
 
Vou recuperar-te, terna e franzina
nas velhas paredes, ou em cada esquina
caprichosamente envelhecida
do Palácio de Don’Ana Joaquina.
Vou entrar lá dentro, mudo e quieto.
Andarei pelo salão que dorme,
onde as paredes são um livro aberto.
Andarei pelo pátio, que a verdura cobre
dum vestido selvático e informe,
onde gemeram escravos de destino incerto,
onde germinaram amores de poeta.
Vou procurar a sacada nobre
onde eu seja Romeu e tu Julieta.
 
E ao cair da noite proletária
sobre as ruas agora desertas,
procurar-te-ei no voo dos insectos
que rodopiam em dança funerária
nas luzes sombrias da Avenida Deolinda.
Talvez te encontre de asas abertas,
ventre chamuscado, cheirando ainda
teus voluptuosos perfumes de Ambaka
que o meu ter-te sempre eterniza.
 
Voltarei à cidade baixa e quente
com sabor de Kisaka e odores de muamba,
em busca da cilada traiçoeira,
da facada cruel e precisa,
que seja diferente
das tuas vagas carícias de brisa.
Andarei pelas ruas da Mutamba
olhando sobranceiramente
- com a segurança de sua santidade –
mulheres que se dizem retornadas
dum passado de que foram sonegadas.
Na penumbra que escamoteia a verdade,
camuflando um perigoso companheiro,
elas aguardam os homens de dinheiro
escrevendo o dia-a-dia na cidade.
 
E tudo isso eu farei por ti, amor,
à procura do teu sabor na vida.
E todavia,
se ao longo dessa busca não te vir florida
neste caminho de sangue e de alegria,
se te souber esquecida no Musseque Prenda.
 
Não venhas ter comigo, minha querida!
Não venhas ofender a noite estupenda
de violência, de dor, de sórdidos amores,
sob um lampadário… à porta duma venda
algures
na Rua dos Mercadores…