terça-feira, 7 de julho de 2015

Escola comercial D. Maria I - uma história singular


Palácio Cabral, em frente à escola

A antiga Escola Comercial D. Maria I, situada no Largo Dr. António de Sousa de Macedo, ao fundo da Calçada do Combro, é talvez a escola com a história mais longa e mais original de todas as escolas.
Palácio dos condes de Mesquitela, porta brasonada

Depois de ter sido  a Escola Rodrigues Sampaio, depois de ter formado gerações de meninas para os vários trabalhos do comércio e afins, dactilógrafas, contabilistas, secretárias, empregadas de escritório... ( os rapazes eram «deportados» para o vizinho Passos Manuel, ainda por cima à noite, para evitar contactos), depois de anos e anos de abandono, a escola virou ... Hotel.

Palácio Cabral, em frente à escola, actualmente

Foi nesta escola que estudou o meu pai (por coincidência), e onde eu comecei em 1975 a minha carreira de professora, com apenas 21 anos, em tempos conturbados de revoluções e contra-revoluções.
Aí passei 4 anos que nunca esqueci, dando aulas a adultos ( dos 20 aos 70 anos) à noite, e a adolescentes durante o dia, numa escola já muito velhinha mas que me fascinava.

Pormenor do Palácio Cabral

Chovia dentro de algumas salas, havia uma bela e pequena capela, algumas aulas eram dadas numa espécie de «sótão» para onde se subia por umas escadas estreitas, na sala de professores havia uma mesa enorme comprida onde todos se sentavam à volta, como se fosse a Távola Redonda (rectangular, neste caso).


Excursão de antigos alunos e alunas

Enfim, tudo era diferente do que eu poderia imaginar que fosse uma escola, e tudo se tornava uma  verdadeira aventura. 
Como se isto fosse pouco, como aquele espaço era pequeno para tantos alunos, íamos também dar algumas aulas num antigo palácio mesmo em frente , o Palácio Cabral, também arrendado pelo Ministério da Educação. Aí passaram-se coisas incríveis, agradáveis e desagradáveis, como sempre. Os alunos do 7º ano tinham doze ou treze anos, andavam por lá aos pulos e aquilo abanava tudo, pum pum pum, não tinham pátio de recreio e tinham de brincar lá dentro. Nem quero imaginar como seria se fossem destas crianças de agora, tinham deitado o palácio abaixo, pela certa!



O que nos valia, a alunos e professores, era ter a paragem dos elétricos mesmo em frente ao portão de baixo (havia dois portões), na Calçada do Combro, quando não a subíamos e descíamos a pé. Ainda o elétrico 28 não era tão célebre, já nós o usávamos todos os dias!

E assim foi passando o tempo...Hoje recordo a Escola D. Maria com comoção, onde me estreei como professora, onde conheci alguns dos melhores alunos e amigos da minha vida. Fantásticas pessoas, que trabalhavam o dia todo e estudavam com afinco à noite, às vezes com muito sono e cansaço.
Assim, valia a pena ensinar.
Agora, a escola D. Maria virou Hotel. Ou apartamentos de luxo, caríssimos, o que vai dar ao mesmo.
Ficou para sempre na memória de muitos e a sua longa e pitoresca história só quem passou por lá a conhece, já que os turistas ou residentes actuais não a vão saber nunca!



10 comentários:

  1. Nunca se sabe! Podem vir a ler esta bela crónica. Gostei muito, Isabel. Parece que consigo visualizar tudo o que descreveste. Obrigada pela boa prosa que me proporcionaste e também pelo comentário que me deixaste. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Fui muito feliz na minha juventude como no ano 1963 com os meus lindos 14 anos comecei a estudar a noite depois de um dia de trabalho, consegui tirar o curso comercial que me deu mais experiencia para a vida e conhecimento. Tive optimas professoras , foi uma fase muito bonita que recordo com muita saudade

    ResponderEliminar
  3. Fui la aluna exactamente na altura do 25 de Abril, lembra-me muito bem da "sala do sotao" era a Sala 5, tinhamos lá Inglês. Que saudades, espaço magnifico!

    ResponderEliminar
  4. Como é bom recordar os anos que ali passei e as amizades que criei. Saudades dos anos de 1973-1977.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde..
    Chamo-me José Moura e andei na D.Maria a partir de 1970 ou 1971 tenho agora 60 anos.
    Tive aulas no Paços Manuel no edifício D.Maria e no Palácio Cabral, sempre à noite ... Foi onde conheci já nos complementares os meus 2 melhores amigos com os quais convivo ainda hoje ... Tirei lá os complementares (Curso Complementar de Administração e Contabilidade). Também tive aulas de inglês na sala referida e lembro-me de uma vez começarmos a sair de lá a correr porque alguém esteve a tremer com a perna e ter dados a sensação de estar a haver um terramoto.

    Os meus agradecimentos pela descrição tão carinhosa da Escola, que penso refletir a opinião de professores e alunos que por lá passaram.

    ResponderEliminar
  7. Cara amiga
    Andei na velhinha D. Maria I, para onde fui no ano letivo de 1966/67. Quantas saudades da velhinha escola, decrépita mas tão acolhedora. Também me lembro bem a sala 5 onde ninguém podia ir ao quadro. E a velha diretora (tudo nesta escola era velho) que vigiava as nossas batas para que estivessem sempre abaixo do joelho (no tempo da mini saia) e a empregada, a Barradinhas, que nos cozia as baínhas que a diretora descosia para ficarmos dentro do regulamento. Quem se lembra da Profª de Cálculo Comercial, a Geropiga? Ou eda sábia Profª Maria Maoés que era tão distraída mas tão amiga.
    Quando passo por lá e vejo a recuperação e transformação vêm-me sempre à ideia os magníficos azulejos do átrio e a beleza da pequena capela.
    Amigas tenho saudades e muito gostaria de lá entrar e voltar a ver a velha escola como era apesar de arruinada.
    Um abraço queridas colegas de sempre.
    Lucília

    ResponderEliminar
  8. Meus amigos
    Volto à carga. Há poucos dias tive a sorte de entrar no Palácio Cabral, agora recuperado e onde funciona a Junta de Freguesia da Misericórdia. Que beleza de espaço. Esse pelo menos voltou a ser do povo.
    Abraço
    Lucília

    ResponderEliminar
  9. É com emoção que revejo e me projecto no tempo em que estudava na D Maria com a nossa gravatinha, a não poder entrar sem meias, as saias tinham que ter um comprimento "decente".....tudo bem observado pela nossa directora D Fernanda .

    ResponderEliminar
  10. Também adorei a belíssima discrição da nossa escola... entrei lá em 1961/1962... e foram os segundos melhores dias da minha vida... hoje, temos um grande grupo de amigas desta escola de varias gerações que convivemos recordando todos esses bons momentos. Juntem-se a nós...

    ResponderEliminar