quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Rostos


 
Pinóquio, o meu personagem preferido, entre todos os que os autores de livros para crianças imaginaram, cresceu e tornou-se Poeta.
Isso mesmo, Poeta, um entre muitos outros poetas que existem no seu país, que é um país de Poetas.
Lá nesse país, anda toda a gente tão apressada e preocupada com politiquices e toda a espécie de traficâncias, que são poucos os que ainda se lembram que existe a Poesia!
 
 

 
Ao crescer, Pinóquio, começou então a escrevinhar, depois a escrever.
Às vezes até ele próprio fica  a pensar, lá na sua cabecinha:
 
O quê, fui eu que escrevi isto? Fantástico!!
 
 

 
 
Aqui vai o poema que Pinóquio escreveu:
 
Rostos
Evoco-te sentado
Num banco de pedra
Com o rio aos teus pés
A ler um livro de poemas
Escritos por alguém
Sem rosto nem sorriso.
 

Evoco-te a percorrer de lés a lés
As ruas da cidade minha
E agora também tua
Que já conheces melhor do que eu
A mostrares-me mais e mais.
 
Evoco-te e já desapareceste
De casa mal entraste
E logo num ápice sais
Ávido do ar mais puro
E me deixas sozinha
Num solilóquio nocturno.
 
Evoco ainda o teu rosto
Sério de barbas longas
Donde sobressai o silêncio
Exausto dum labor confuso
Já de si inoportuno
E cada vez mais ingrato.
 

Evoco por fim os teus olhos
Castanho escuros
Como os montes e os vales
Da terra onde nasceste
Onde os sorrisos foram escassos
A infância ingrata e fugaz
E as figueiras pródigas demais.
 
                                                         Isabel del Toro Gomes
 

 

1 comentário: